quinta-feira, 21 de julho de 2011

o sol na janela

Depois que acordei, li um pouco. Mas a lembrança da sensação de sono que sempre tenho quando o sol bate no meu rosto no ônibus me deu vontade de dormir de novo. Mas não conseguia. Então eu fingi que adormecia e inventei a sensação de entorpecimento que toma conta do corpo quando se está pra cair naquele mundo estranho.

Dormi de verdade.

E não conseguia mais acordar. Eu acordava e caia no chão de tanto sono, estava agora dormindo no sofá, me atrasava pro trabalho e me dei conta que sonhava tudo isso. Nos sonhos, o sono é mais pesado e as consequencias são mais drásticas. Minha mãe tentava falar comigo, eu não conseguia responder. O coracão batia apressado, mas não era o suficiente pra me jogar pra fora da cama.

Risadas me deixaram mais calma, como se fosse o instante depois do gozo, aliviada. Piso sobre nuvens, caio levando sustos sem me machucar. A biografia e a ficção biográfica estão mexendo comigo.

Como uma música pop bem ruim que não sai da cabeça e dá ódio de viver por cantarolar aquilo o dia todo.

Um comentário:

Andressa disse...

Como uma música pop bem ruim que não sai da cabeça, haha.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...